23 de fevereiro de 2011

PIB gaúcho pode crescer R$ 47,7 bi com aperfeiçoamentos no setor de energia

O Rio Grande do Sul pode acelerar até 2020 a taxa de crescimento médio do PIB local (soma de todas as riquezas produzidas no estado) em até 23% caso o governo federal adote mecanismos para melhorar as condições de fornecimento de energia à indústria. Com esses aprimoramentos, o Produto Interno Bruto (PIB) do estado passaria da previsão de R$ 361,4 bilhões em 2020 para R$ 409,1 bilhões, com efeitos positivos para todos os setores produtivos e a sociedade.

Esse dado é um desdobramento do estudo Efeitos do Preço da Energia no Desenvolvimento Econômico - Cenários até 2020, desenvolvido pelas consultorias FGV Projetos e Andrade & Canellas para o Projeto Energia Competitiva (PEC).

O estudo realizado para o PEC, com desdobramentos regionais projetados pelo departamento técnico da ABRACE, trabalha com dois cenários. O de continuidade, com a manutenção da carga tributária, encargos e das regras de comercialização hoje em vigor, e o de aperfeiçoamento com o fim de alguns encargos e condições mais competitivas de contratação. O trabalho mostra ainda os impactos do custo da energia sobre as condições econômicas e sociais do Brasil.

O incremento de R$ 47,7 bilhões no PIB do Rio Grande do Sul em 2020 seria resultado dos impactos das melhorias macroeconômicas decorrentes da oferta da energia a um custo mais competitivo. Com a energia mais barata, a indústria local produziria, exportaria e venderia mais, o que significa mais empregos e dinheiro circulando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário